ANTÔNIO LAÉRCIO BRUNATO

ANTÔNIO LAÉRCIO BRUNATO

Cadeira 19

ANTÔNIO LAÉRCIO BRUNATO (*1920 +1992)

Jaguariaíva/PR – 12/10/1920 -, São Francisco do Sul, 9/8/1992.

Contador – Academia de Comércio do Rio de Janeiro

Bacharel em Direito – Faculdade de Direito de Curitiba.

Professor, líder comunitário e político. De temperamento afável e carismático.

Atividades literárias – Jornal O Estudante – fase estudantil.  Em 1937 publica na imprensa paranaense – duas vezes por semana na Gazeta do Povo – Gazeta Feminina e Gazeta Literária.

Colabora com o jornal O Dia e Correio do Paraná.

Publica também na Revista Prata de Casa.

Trabalhos são divulgados semanalmente na Rádio Clube – programa Hora literária Eolo de Oliveira.

Em 1941 segue para o Rio de Janeiro, servindo ao exército brasileiro, permanecendo por 4 anos em razão da II Guerra Mundial.

Volta a Curitiba, mesmo no exército segue escrevendo ingressando na Academia de Letras José de Alencar, como fundador da cadeira que tem como patrono Mário de Andrade. Isso no início de 1944.

Em 1945, a conselho do poeta Silveira Netto, pai de Tasso Silveira submete o seu primeiro livro – Pálio Verde -, à apreciação de Bastos Tigre que recomenda a publicação que é feita através da editora à Noite.

Em 1946, a trabalho, retorna ao Rio de Janeiro.

Em 1951 volta para Curitiba. Em 1952 contrai matrimônio com Idamar da Silveira, filha do procurador da firma Carlos Hoepke. Neste mesmo ano é nomeado para o Lloyd Brasileiro.  Passa a residir em São Francisco do Sul.

Em 1955, assume as funções de Corretor de Navios junto à Alfandega de São Francisco do Sul, nomeado pelo Presidente Getúlio Vargas por obter o primeiro lugar no concurso.

A literatura, sua paixão maior. Vários livros de poesia, contos e pensamentos por publicar.

Foi professor da Escola Técnica de Comércio de SFS, e diretor por 19 anos. Lecionou e dirigiu o Colégio Normal SC.  Foi professor de português no Colégio Agrícola senador Carlos Gomes de Oliveira por mais de 22 anos.

Membro do Lions Clube de SFS, sendo sócio fundador, exercendo funções de comando em vários momentos.

Vereador eleito por três legislaturas, sendo três vezes presidente da Câmara de SFS.

Sua obra mereceu elogiosas considerações de: Durval Borges, Eolo de Oliveira (este diretor da Gazeta do Povo), Dom Aquino Corrêa, Arcebispo de Cuiabá e membro da Academia Brasileira de Letras, Carvalho Nascimento, Gabriel Fontoura, Silveira Netto, Tasso da Silveira, Bastos Tigre, Jorge de Lima, Ilmar Carvalho, Olegário Mariano, entre tantos outros eminentes escritores.

Estas informações sintetizadas constam do pronunciamento de sua filha, Ida Beatriz, em 11 de outubro 1985, ocasião em que recebeu uma homenagem especial no Museu Histórico de SFS ao lançar o livro:  Pensamentos e Reflexões – Primeiro Caderno.  Publicado por recomendação de Austregésilo de Ataíde, da Academia Brasileira de Letras.

De coração agradeço, ao Dr. Paulo Silveira Brunato – filho de Antônio Laércio, e dona Denise, sua esposa que residem em Florianópolis. E também ao ex-prefeito de Araquari – Francisco Garcia -, que conseguiu o contato para obter estas preciosas informações.

Quanto ao ilustre mestre Antônio Brunato – responsável pela formação de gerações e gerações de jovens francisquenses, muitos dos quais notáveis em diversas áreas do conhecimento, e no Colégio Agrícola de Araquari – jovens do país inteiro.

 Frase lapidar no epitáfio – cemitério de São Francisco do Sul, onde repousa o velho guerreiro -, o imortaliza, revelando sua grandeza:

“Fui mestre como Cristo e os meus dias gastei ensinando, aconselhando. Agora, embora morto, mas DESEJOSO de continuar meu ministério, aqui estou. Pergunte, que eu responderei, através da inspiração”. Fonte da imagem: http://www.csfs.sc.gov.br/index.php/component/content/article?layout=edit&

COMPARTILHE: