JOSÉ ACCÁCIO SOARES MOREIRA FILHO

JOSÉ ACCÁCIO SOARES MOREIRA FILHO

Cadeira 6

JOSÉ ACCÁCIO SOARES MOREIRA FILHO (*1897 +1981)

Patrono: Carl Julius Parucker.

Nascido em 1897, desde muito cedo o tubaronense José Accácio Soares Moreira Filho vinculou-se a Joinville, onde, já em 1922, tornou-se colaborador da ACIJ (a associação empresarial da cidade) com a publicação de artigo de caráter econômico.

Seu pai, do mesmo nome, fora um advogado provisionado, jornalista e político, que fundara em 1897, no mesmo ano do nascimento do filho, o jornal “A Verdade”, em Tubarão. Nos anos seguintes, seu pai galgou, ainda, os postos de deputado estadual em 6 legislaturas além de se tornar vice-governador do Estado nos idos de 1930.

Por conseguinte, entre 1925 e 1930, residiu José Accácio Filho em Florianópolis, onde atuou na Assembleia Legislativa e, no final do governo de Adolfo Konder, foi incumbindo da organização da futura Penitenciária Estadual (atual Penitenciária de Florianópolis), inaugurada que foi no governo seguinte, de Bulcão Viana, dela tornando-se o primeiro diretor.

Ingressando na Faculdade de Direito de Curitiba, lá se formou em 1929. Passando a atuar como advogado em Joinville, tornou-se o segundo advogado de Santa Catarina a ingressar na seccional catarinense da recém-criada Ordem dos Advogados do Brasil, pois esteve inscrito na OAB/SC sob o nº 002 desde 16 de maio de 1933.

Casou-se com a joinvilense Aracy Garcia, irmã do empresário e político Adhemar Garcia, aqui deixando descendência.

Desde 1937 tornou-se editor de um boletim informativo da ACIJ – as “Cartas Mensais” -, sobre as quais escreveria mais tarde o primeiro presidente da Academia: “de cada linha transcende uma imensa cultura jurídica”. No todo, desenvolveu intensas atividades junto à ACIJ em várias campanhas da entidade, à qual se manteve vinculado durante 57 anos, ou seja, até dois anos antes de sua morte.

Nos anos 40 empenhou-se na criação de cerca de uma dezena de sindicatos patronais, além de manter em rigorosa ordem um arquivo de Diários Oficiais, a partir de 1937, que hoje integra o acervo da Biblioteca Pública de Joinville.

A 15 de novembro de 1969 o nome desse jurista e intelectual figurou como um dos 14 fundadores originais da Academia Joinvilense de Letras, tomando posse na Sessão Solene realizada no Salão Nobre da Harmonia-Lyra. Em 1971, participou das discussões que resultaram na aprovação do primeiro Estatuto da entidade recém-fundada, estando presente também na eleição da primeira diretoria, a 16 de outubro daquele ano.

Constantes eram os contatos do primeiro presidente da AJL, Acadêmico Adolfo Bernardo Schneider, com o Acadêmico “Dr. Accácio” (como era conhecido), em especial nas questões atinentes à redação dos Estatutos.

Faleceu a 14 de novembro de 1981, aos 84 anos, um dia antes do 12º aniversário da Academia que ajudou a fundar. Sua casa, na esquina da Rua São Francisco com a atual Avenida JK, tornou-se um símbolo na paisagem urbana da cidade.

Desde o último dia 13 de junho a Academia publicou Edital conferindo prazo de 60 dias aos interessados em suceder ao Acadêmico José Accácio Soares Moreira Filho na condição de novo membro-efetivo da AJL, o que culminou com a eleição do advogado e escritor Rodrigo Meyer Bornholdt como novo integrante da “Casa dos Amigos”!


(Pesquisa e redação por: Paulo Roberto da Silva, secretário-geral da AJL, a 25/06/2016, com a colaboração de Sônia Rosa. Revisado em 09/02/2019).

COMPARTILHE: