Medalha Dona Francisca – Discurso de Marcel Virmond Vieira

Homenagem a Carlos Adauto Vieira Por Marcel Virmond Vieira (filho)

Joinville, 8 de março de 2019.

 

Quando eu tinha treze anos, em uma visita ao Rio de Janeiro, uma amiga me levou a uma loja de discos, onde escutei a voz expressiva de Mercedes Sosa declamando a abertura da música Sentinela, de Milton Nascimento:

Hay hombres que luchan un dia y son buenos; Hay otros que luchan un año y son mejores;

Hay quienes luchan muchos años y son muy buenos; Pero hay los que luchan toda la vida,

Esos son los imprescindibles. (Bertold Brecht)

Esta citação destaca o valor que algumas pessoas podem representar para a sua comunidade.

Um desses homens é o Dr. Adauto, que neste oito de março de 2019, aos 85 anos de idade, recebe do Município de Joinville, merecidamente, a medalha Dona Francisca, por ter dedicado toda a sua vida a lutar pelo desenvolvimento cultural e social de nossa cidade.

Vamos contar um pouco de sua história:

Nasceu nos campos de Lages em 1933. O Zeppelim ainda não tinha passado por Joinville; a Tupy, a Consul e a Tigre não tinham sido fundadas. Num tempo em que penicilina e vacinas eram desconhecidas por aqui, foi amamentado por ama de leite, pois minha avó estava acometida de uma febre. Já aos dois anos deixou os campos gerais e sua família se mudou para Florianópolis onde teve o amplo acesso à cultura.

Seu amor pela literatura foi herança da professora Antonieta de Barros e dos padres do então “GymnasioCatharinense”, e foi através dos livros que seu espírito se moldou. Teatro, poesia, romance, história, enfim, as letras preencheram sua alma com os ideais platônicos da verdade, da beleza e do bem, que se tornaram os faróis de seu percurso nessa existência. Essa semente platônica desabrochou em suas práticas durante a sua vida.

Primeiro, como um cidadão participativo:

Desde o ensino secundário participou ativamente dos grêmios estudantis, da redação de jornais e revistas, dos encontros de estudantes, até seu primeiro engajamento político na União Brasileira de Estudantes Secundaristas. Estávamos no final da década de 1940, apogeu da era Vargas, com suas campanhas patrióticas como a do “O petróleo é Nosso”.

Contrariando a família conservadora, juntou-se às fileiras trabalhistas, movido por seus ideais platônicos, destacando-se logo por sua liderança política. E as lides trabalhistas foram, talvez, a principal razão de sua vinda para Joinville, cidade que congregava uma ampla massa de trabalhadores ainda sem uma organização estabelecida.

Sua atuação política foi “reconhecida” em 31 de março de 1964, quando foi laureado com o título de primeiro preso político catarinense da revolução redentora…

O cárcere de 64 foi ameno, pois era o canhão com medo da pena. Reuniu intelectuais, jornalistas, juristas, transformando o presídio em uma espécie de centro cultural.

Já o cárcere de 67 foi mais sombrio. Sequestro, desaparecimento, muita gente com medo de ajudar.

Mas os amigos verdadeiros se revelaram. Organizaram um torneio de futebol entre quartéis para descobrir onde estava detido e depois exigiram sua liberdade junto ao tribunal militar. Foi libertado, pois havia sido detido sem processo e sem provas, por conta de um delator que sequer o conhecia.

Mas mesmo nas sombras do porão do quartel onde foi detido em Curitiba, continuou sendo o espírito humano generoso que tantos amigos conquistara. Ficou amigo dos jovens soldados, seus carcereiros, a quem ajudava a escrever cartas de amor para suas namoradas.

Desde aqueles tempos, foi um cidadão atuante em prol da redemocratização. Como Conselheiro Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em meados dos anos 80, defendeu a tese de Justiça Social, que viria a ser absorvida e aplicada na redação de diversos artigos da Constituição Federal. Hoje seria chamado de influenciador.

Foi amigo e conselheiro de importantes lideranças políticas da região, como os saudosos Pedro Ivo Campos, Luiz Gomes e, especialmente, do compadre Luiz Henrique, com quem conviveu em proximidade por anos a fio, tecendo forte laço de amizade, que se estendeu à família e persiste inabalável.

Importante destacar que recusou todos os convites para ocupar cargos públicos, pois seu idealismo lhe impunha a liberdade das atividades de profissional liberal. Mas participou de partidos e diretórios, de movimentos sociais, culturais e ambientais.

Outra evidencia incontestável de seu idealismo platônico foi a recusa de receber indenização por suas prisões políticas. Quando procurado pelos representantes da Comissão da Verdade, laconicamente disse que não se arrependia de suas posições, e que não as tomou por dinheiro, dano o assunto por encerrado.

Aos que perguntam sua posição política, responde com vigor: nem comunista, nem capitalista, simplesmente humanista.

Segundo, como um fazedor de cultura:

Se na política exerceu seu ideal do bem e da virtude, o ideal do belo veio através da literatura e do amor pela cultura. Escreve, diária e initerruptamente, há mais de 70 anos!

Acorda de madrugada e ainda antes do chimarrão senta ao teclado, para redigir cartas, e-mails, comentários, e as saborosas e divertidas crônicas. Muitas de suas “histórias curtas” entraram para o imaginário popular Joinvilense, como os “ovos de chumbo do Seu Fernando Tilp”, ou o “preguinho para pendurar as calças do agrônomo que fazia inseminação”. Nada escapava de sua pena afiada, como a ironia do dono da fábrica de velas ser também diretor da companhia de eletricidade, Celesc. Seu talento como cronista o colocou ao lado dos grandes nomes nacionais, com quem se correspondia, como Fernando Sabino, Millôr Fernandes, Rubem Braga e Chico Anísio.

Seus mais de cinquenta anos de crônicas semanais servem como rico depositório da história de Joinville. Uma espécie de biografia não autorizada. Reconhecer os eventos e personagens em suas histórias é como embrenhar-se em uma divertida caça ao tesouro.

Participou de movimentos como O Cordão, nos anos 1970, em que a arte enfrentava a ditadura. Ajudou a fundar e participa ativamente de instituições como o Centro Cultural Brasil Alemanha, Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, Academia Francisquense de Letras e Artes, Academia Joinvilense de Letras. Também presidiu os Conselhos Municipais de Cultura de Joinville e de São Francisco e foi ativo membro do Conselho do Museu Nacional do Mar. A lista de órgãos e entidades ligadas a cultura que participou é extensa.

Durante toda sua vida apoiou estudantes e artistas que iniciavam suas carreiras, lhes comprando as obras, os estudos e os croquis. Não raras vezes financiou os estudos de jovens de baixa renda em escolas de arte, tornando-se, no meio artístico, um amigo sempre querido e bem-vindo. Não por outra razão Juarez Machado o homenageou, se valendo de uma de suas crônicas como tema de um quadro espetacular.

Nossa casa estava sempre cheia de gente interessante. Políticos, artistas, profissionais liberais. Os inícios de tarde eram sempre dedicados aos cafezinhos, as noites às reuniões, eventos, vernissages, peças de teatro, mostras de cinema. As paredes cheias de quadros, os livros espalhados em todos os cômodos da casa, chegavam diariamente das livrarias e pelo correio, enviados pelas editoras. Sim, também foi crítico literário, sob pseudônimo, por muitos anos.

Obreiros da Arte Real, os maçons se dedicam a construir, metaforicamente, um edifício ideal, em que os homens se ajustam uns aos outros para compor as colunas de um grande templo às virtudes. Dr. Adauto labuta nas fileiras dos pedreiros livres há mais de 40 anos, sendo reconhecido na instituição como um valoroso irmão.

Terceiro: como um advogado

Dr. Adauto foi um advogado pioneiro em Joinville, tendo sido o primeiro a defender as causas trabalhistas dos empregados da indústria. Nosso antigo vizinho, Norberto Rost, sempre recorda da imensa fila que, desde a madrugada, se formava diariamente na porta do escritório do “Doktor” Adauto. Durante o atendimento as petições já iam sendo datilografadas, para que seu seu fiel escudeiro por quase 40 anos, Abelardo Lopes da Silva, as protocolasse no Fórum já às oito horas da manhã.

Sempre pautado pela ética, organizou inúmeros movimentos pelos direitos dos trabalhadores na cidade e região, o que o tornou muito popular e respeitado, até mesmo pelos que lhe faziam oposição.

Tornou o direito e a justiça importantes instrumentos à prática de seus ideais, compartilhando seus conhecimentos e conquistas com seus colegas, que sempre puderam contar com suas valiosas orientações. Várias de suas teses se transformaram em súmulas nos tribunais e seu nome se tornou referência em todo o estado.

As portas de seu escritório sempre estiveram abertas, e ao contrário da imagem conservadora e austera tradicional dos advogados, Dr. Adauto sempre cultivou a informalidade e a descontração, deixando à vontade todos os que acorriam à sua famosa banca profissional.

Era amigo e admirado por juízes e desembargadores, não raro seus colegas de faculdade, mas não hesitava em apontar qualquer incorreção às corregedorias. Causídico combativo, postura herdada por meu Irmão Carlos Adauto, advogou por 45 anos até se mudar para a merecida aposentadoria junto ao mar.

Quarto: como um homem de família

Estivemos sempre juntos em nossa casa, durante a infância. Apesar dos inúmeros eventos sociais e compromissos, foi um pai super presente, daquele que nos punha para dormir contando histórias do dengoso e fendegoso e nos acordava para o café da manhã.

Apoiou todos os filhos em seus desejos, projetos, vocações. Assim sempre tivemos liberdade e autonomia para estudar, viajar, experimentar e conhecer. E continuamos todos juntos, mesmo tendo o insuperável baque do falecimento de nossa mãe, há mais de vinte anos.

Eu sou o filho do meio de sete filhos.

Os filhos naturais, Simone, Jacque, Carlos e eu, somos quatro.

O filho por afinidade é nosso querido Dr. Jovenil, que começou no escritório como assessor e se tornou mais um filho do Dr. Adauto e nosso irmão.

Após a morte de nossa mãe em 1997, Dr. Adauto reconstruiu sua vida pessoal com a Marcia Moritz, sua companheira desde então, recebendo de presente duas enteadas, a Camila e a Carolina.

Sete filhos e dez netos soma, até aqui, sua prole. Do mais velho Guilherme, um talentoso artista, ao mais novo, Gabriel Adauto, nascido em 2018 e ainda bebê, e que lhe homenageia com o nome.

E é em nome dessa família numerosa e amorosa que queremos agradecer imensamente ao Município de Joinville a delicadeza dessa inestimável comenda.

Muito obrigado.

 

COMPARTILHE: