Monsenhor SEBASTIÃO SCARZELLO

Monsenhor SEBASTIÃO SCARZELLO

Cadeira 25

Monsenhor SEBASTIÃO SCARZELLO (*1880 +1974)

Patrono: Léonce Aubé.

A figura ímpar do Monsenhor Sebastião Scarzello é, muitas vezes, fascinante.
Nascido em 1880 no Piemonte, Itália, era filho do Conde de Salmour e da Marquesa de Villamirana, tendo estudado medicina na Universidade de Turim. Abraçou em seguida a carreira religiosa e, ainda em Turim, estudou filosofia pura e teologia, especializando-se em direito canônico e sociologia.

De 1903 a 1910 esteve em missão no Quênia, África, período em que estudou a língua, religião e costumes dos bantus, escrevendo monografias (sete delas sobre a “doença do sono”), gramáticas e dicionários. De retorno à Roma, partiu em missão ao Himalaia, lá permanecendo por 2 anos.

Em 1912 aceitou convite para trabalhar no Brasil, inicialmente em Minas Gerais e, a partir de 1933, em Joinville. Em 1950 é elevado a Monsenhor, por ato do papa Pio XII. Em 1963 recebe o título de Cidadão Honorário de Joinville e, em 1971, de Matozinhos-MG.
Considerado o maior orador sacro de Joinville, dominava 10 idiomas. Foi membro da Academia Mineira de Letras e, a partir de 07 de dezembro de 1972, da Academia Joinvilense de Letras. Dedicou-se ao ensino, tendo lecionado em Roma. Já no Brasil, foi nomeado inspetor escolar nos anos 20, professor do Seminário Diocesano em Belo Horizonte (até 1932) e, em 1948, com a morte do Padre Kolb, passou a dirigir a Creche Conde Modesto Leal em Joinville.

Durante 37 anos foi professor no Colégio Santos Anjos, onde ministrou aulas de sociologia, psicologia, economia política, latim, matemática, dentre outras, só deixando de lecionar em 1970, aos 90 anos de idade.

Faleceu em 1974, aos 94 anos, após 71 anos de vida sacerdotal.
Essa extraordinária figura humana, de grande simplicidade mas com uma imensa capacidade, dotado de uma cultura universal, recebeu seguidas homenagens, sendo batizadas com seu nome ruas, praças e escolas, e sendo-lhe erguidos dois bustos: um em Araquari (em 1975), na praça que leva seu nome, e outro junto à Catedral de Joinville (em 1977).

Lançando Edital em 2014 para preenchimento da cadeira deixada vaga com o falecimento do Acadêmico Monsenhor Scarzello, a Academia Joinvilense sentiu-se honrada em recordar um pouco da trajetória desse grande nome que ficou eternizado na história de Joinville, escolhendo como seu sucessor o nome do escritor Wilson Gelbcke.


(pesquisa e redação por: Paulo Roberto da Silva, secretário-geral da AJL, a 18/12/2014, revisado em 09/02/2019).

Fonte da imagem: http://lh5.ggpht.com/-o4uewR-MP1M/UEqPezlPqjI/AAAAAAAACpQ/PBoSsuFahe0/clip_image044_thumb%25255B1%25255D_thumb.jpg?imgmax=800

COMPARTILHE: